Sigam nossas redes sociais

Lendas de Barão de Cocais

Ostentação no ciclo do Ouro no Brasil com o ato exótico do Barão de Catas Altas que serviu almôndegas de ouro maciço para seus amigos como brinde em um jantar num dos seus palacetes que atualmente são ruínas que contas história de uma parte do nosso Brasil.

Lenda da Deusa de Ouro
Moradores próximos a antigas áreas de exploração do ouro afirmam ter visto a deusa do ouro que vinha de roupas brancas com uma tocha que queimava intensamente até na chuva.


O mistério da Cruz das almas
Em datas específicas ocorre a procissão dos mortos nesse local. Alguns afirmam ter vistos os espíritos. 
O Cruzeiro das Almas fica localizado no Bairro da Lagoa próximo ao alto da Pedra.
O Cruzeiro das Almas foi construído em 1788 para atender a promessa de um cavaleiro José Português que estava vindo da Serra da Cambota e foi impedido de passar na trilha por almas de outro mundo. O cavaleiro tentou passar diversas vezes mas não obteve sucesso.
O cavaleiro vagou a noite inteira quando teve a idéia de mandar rezar doze missas por intenção das almas e mandar levantar uma cruz onde elas estavam.
As almas desapareceram e o cavaleiro seguiu o seu caminho em paz.
Aves noturnas brancas
Alguns acreditam que as almas eram aves noturnas brancas muito parecidas com a da região



Botânico francês Saint-Hilaire
Em sua passagem por São João do Morro Grande atualmente Barão de Cocais, o botânico e naturalista Saint Hilaire passou diante de uma cruz descrevendo um terreno que teria sido habitado ou assombrado por almas do purgatório em Gongo Soco.


O grito da mata
O grito da mata tem sua origem na Serra do Garimpo região onde fica o Sítio Arqueológico da Pedra Pintada, Distrito de Cocais em Barão de Cocais.
Quem frequenta esse local ouve nitidamente um grito histérico abafado vindo da mata da região.
Há algum tempo atrás o Sr. Zé Diniz recebia visitas em seu sítio quando uma das visitantes se encantou com uma planta florida na qual desconheciam suas propriedades medicinais.
Essa planta era o sabugueiro que ajuda nas inflamações é antidiarreico e ajuda a limpar os rins.
Diziam ainda que de sua madeira fora feita a Cruz do Calvário e por esse motivo dava azar cortar um tronco de sabugueiro, mas as flores podiam ser colhidas enquanto Dona Maria, esposa de Sr. Zé Diniz colhiam as flores e preparava um belo buquê de flores algo gosmento nojento pulou do meio das flores ocasionando o grito da visitante que até hoje pode ser ouvido das grotas do garimpo.